quinta-feira, 22 de setembro de 2016

A vida de outra mulher (Casamento e restauração)


Uma mulher acorda sem se lembrar dos últimos 15 anos de sua vida. 
Ao tentarmos lembrar, o mais detalhadamente possível, do que éramos há quinze anos, dos sonhos que tínhamos e das pretensões que nos cercavam, o resultado seria muito diferente da perplexidade de Juliette Binoche, ou por nos acostumarmos paulatinamente às mudanças, não nos damos conta de que nos transformamos em outra pessoa? 
A ambição tipicamente adolescente de querer abraçar o mundo esbarra inevitavelmente na realidade, que nos faz abrir mão de cada vez mais detalhes e por vezes nos obriga a moldar aquilo que não podemos desistir até se tornar uma meta bem distinta da que possuíamos a princípio. 
Diante de algumas conquistas, ou mesmo algumas frustrações, tentamos nos convencer de que chegamos onde queríamos, jogando para baixo do tapete da memória aquela frustração de alguns sonhos que ficaram pelo caminho.
"No fundo, no fundo, há uma questão séria: as pessoas perdem a vida para ganhá-la".


Nenhum comentário:

Postar um comentário