quinta-feira, 15 de setembro de 2016

Pai inteligente influencia o filho adolescente. Se você não fizer, alguém o fará! (Introdução)



Introdução

O Brasil se encontra em uma encruzilhada da História. Creio que a qualidade de vida e a estabilidade da família guardam uma relação direta com a presença e atitude masculinas adequadas no lar. O pai tem em mãos a oportunidade de moldar o caráter de seus filhos para que estes venham a causar um impacto positivo em sua geração.

Liderar uma família em meio ao caos reinante na sociedade e na cultura atuais é como codirigir uma pequena patrulha em território inimigo, ocupado por soldados bem treinados e armados, com o agravante de tratar-se de um campo recheado de minas mortais.

Deus, no entanto, revelou nas Escrituras Seu plano para que a família desempenhe seu papel harmonicamente. O homem deve ser o líder e agir sob a autoridade do Cabeça, que é Cristo. Ao lado da esposa, ele cria e educa os filhos em um lar focado em Jesus e nos princípios bíblicos.

Os pais, especialmente o pai, são responsáveis por construir um ambiente apropriado ao crescimento e amadurecimento dos filhos, de modo a permitir que, no futuro, tornem-se pais competentes e dedicados. Essa cadeia garante a continuidade da família nas próximas gerações, pois é por meio dela que os preciosos conceitos e valores familiares vão sendo transmitidos.

Isso explica por que a interrupção dessa cadeia constitui-se em um dos principais alvos do inimigo. Ele investe pesadamente na vida de nossos filhos utilizando-se de duas estratégias:

1. Estremecer e até destruir o relacionamento conjugal.
2. Comprometer efetivamente o relacionamento entre pais e filhos.

Pai, se você quer de fato ajudar seus filhos, deve pensar nisso. Embora o objeto deste livro seja o relacionamento entre o pai e seus filhos, não poderíamos deixar de mencionar, ainda que brevemente, a influência que o relacionamento conjugal exerce na relação pai e filhos, dada sua importância para o equilíbrio emocional dos filhos.

Há células familiares morrendo por todo o país. Isso acontece na minha e na sua vizinhança. A autópsia revela que a causa mortis é exatamente a estratégia número um de Satanás: o estremecimento e a destruição do relacionamento conjugal. A armadilha satânica terá
cumprido metade de seu objetivo ao dividir a família pelo divórcio, pois a separação simplifica e ajuda a destruir o relacionamento entre pai e filhos.

Pai, sei que você ama sua família, sua esposa e seus filhos, mas será que está disposto a morrer por eles? Quando alguém vai à guerra defender seu país, sabe que deve estar preparado para morrer por ele. Essa guerra, porém, é diferente. Deus procura homens dispostos a viver por seus filhos e por suas esposas. Esse é o desejo do Senhor.

Querido pai, escrevo este livro como mais um soldado nessa batalha. Sou pai de três filhas e não possuo fórmulas mágicas que asseguram sucesso. Compartilho aqui, com muita honestidade e sinceridade, o conhecimento que obtive ao longo destes 35 anos de ministério e de vida familiar ao lado de Judith e de nossas filhas. Minha intenção é ajudar você e sua família a sobreviverem e a atravessarem o campo de batalha, tentando evitar as minas.

Minha esposa e eu temos algumas cicatrizes no coração, provocadas, em parte, por nossas filhas e, em parte, por nossos próprios erros. Nossos joelhos também ficaram esfolados e doloridos pelas várias horas de oração que tivemos, por vezes desesperados, ansiosos, esperançosos, desorientados e também felizes. Através dos anos e das repetidas experiências do cotidiano familiar, aprendemos a estabelecer algumas convicções.

Ao escrever este livro, dois fundamentos profundos nortearam meus pensamentos: o primeiro é que os pais precisam (deixe-me usar a linguagem do novo milênio!) estar plugados emocional, intelectual, relacional e afetivamente a seus filhos. Essa ligação, esse elo íntimo, é absolutamente essencial na confrontação de desafios e para que os pais tenham abertura – e aqui está o segundo fundamento – para ajudar a conduzir seus filhos à maturidade.

Esse segundo fundamento é vital. Hoje, os pais lutam para criar os filhos muitas vezes porque eles mesmos não sabem em que creem nem determinaram limites, padrões e convicções.

Meu desejo é, portanto, compartilhar nossas experiências com você, pai, que tem:

1. Um ou mais filhos entre 6 e 11 anos. Seus filhos caminham para a adolescência, e você, provavelmente, estará perguntando-se, com certo peso de preocupação, como serão os anos futuros.

2. Um ou mais filhos adolescentes, entre 12 e 17 anos. Você já deve estar sentindo as pressões oriundas das dúvidas, dos questionamentos e da ausência de respostas.

3. Filhos concluindo o curso colegial e preparando-se para o exame vestibular. Você talvez discorde de algumas decisões e escolhas que eles estão fazendo.

4. Um ou mais enteados adolescentes ou na pré-adolescência. Ou, quem sabe, você é pai solteiro ou divorciado. Se esse for o seu caso, suas dúvidas talvez se tenham multiplicado.

Embora tudo isso, às vezes, seja desgastante e até mesmo frustrante, saiba que ser pai é um privilégio supremo da vida. Essa é a certeza que eu gostaria de deixar em seu coração em Pai inteligente influencia o filho adolescente – Se você não o fizer, alguém o fará!

Que Deus lhe dê graça e coragem para que se torne o pai de que seus filhos precisam nas fases de mudança e desafios.

Jaime Kemp

Trecho do Livro: "Pai inteligente influencia o filho adolescente. Se você não fizer, alguém o fará!". 

Nenhum comentário:

Postar um comentário